quarta-feira, 2 de abril de 2014

Você menina


Você menina
de olhos meigos,
puramente meigos,
que encantam,
mesmo à distância
dos olhos meus.

Você menina,
sabor d'alma,
que vive n'alma
do poeta,
que sonha na rima
que um dia se perdeu.

Você menina
doce como mel,
de lábios de mel
que não se sentiu;
na saudade que ficou
no suposto adeus.

Você menina
por trás da janela,
uma sombra na janela,
presa no pensamento,
para a eternidade,
como um capricho de Deus.

Pedro Cesquim

terça-feira, 18 de março de 2014

Renascer

Todos os dias eu nasço com o Sol
Com a vida pulsando em meu peito
Como se a estrada não tivesse fim
E meu destino fosse o infinito

A cada minuto passo pela Glória
Do meu Tempo e nem percebo que envelheço
E que aos poucos me transformo em passado
Como o último inverno que não vi

Mas renasço todos os dias como o Sol
E renovo minhas esperanças a cada
Passo que dou nesse longo caminho.

Alexandre Alves

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Saudade



A saudade as vezes se apresenta como um cheiro de flor,
Como um pedacinho azul do céu.
As vezes vai, as vezes vem,
Mas quando é assim, é bom,
É como chuva passageira que refresca os sonhos.

Alexandre Alves

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Estranho Silêncio

Olhares que cruzam o ambiente sagrado,
silenciosas vozes que tingem um céu colorido,
ocultas mensagens chegam a um coração atado
pela sombra de um medo passado...refletido!

Estranhos sentimentos renascem do oriente,
caminhos sinuosos que conduzem ao interno vale,
jovem alma que habita um corpo velho e doente,
que na imensidão da paz, o coração se abrande...se cale!

Desejos ardentes que enfeitiçam o forasteiro,
solidão que assola o deserto e sua paisagem,
vai o andarilho solitário em busca do mensageiro
a trazer em sua bolsa, um espelho, sua imagem!

Vidas curtas consumidas por uma secreta fonte,
cortam a esperança de rever no horizonte, o sol renascer,
pegadas na areia que desaparecem no horizonte,
como presente, permitirão a fagulha do amor florescer!

Marco Pardini.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Minha doce Sophia

Minha Sophia
Minhas manhãs ensolaradas
O cair de minhas tardes
A paz alegre que chega
Carregada de amor

Minha doce Sophia
Meu cheirinho de flor


Alexandre Alves

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Luz do meu dia



Luz do meu dia
Que meu sonho traz
Que minha alma invade
Nas eternas manhãs

Da noite fria do inverno vivido
Para o suave sorriso da estação seguinte
Luz do meu dia e da minha noite
Do futuro que chega cheio de amor

Alexandre Alves.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Chuva

Chuva
que cai na penumbra,
pingos cristalinos que
docemente
reflete seu olhar.

Chuva
que molha seus cabelos
e escorre pela seda,
ingenuamente,
fogo, terra, água e ar.

Pedro Cesquim.