domingo, 3 de abril de 2011

Tempo

Tempo que não permite aos ponteiros da vida parar,
segue sua marcha suave em direção ao infinito,
levando conhecimento aos corações que querem amar,
recobrindo com o pó da terra aqueles que viraram mito!

Tempo sem vida que palpita na eternidade,
inspiração de vida que carrega o poeta,
rio do destino que alimenta a saudade
daqueles que possuem uma verdade incerta!

Tempo que carrega consigo o átomo do abandono,
solitário, em silêncio, a vida humana, se põe a observar
sorrindo por aquele que se intitula rei em seu trono
cuidando do outro, que na escuridão da fé, sai a caminhar!

Saturno, quem és tu, afinal? Grande senhor do Tempo!
irmão celeste que nos brinda com sua cósmica presença,
a demonstrar ao humano a ilusão deste tormento,
demonstrando ao mundo que não existe saúde nem doença,
apenas a eterna lembrança,
da vida deixada no balaústre de um eterno momento!

Marco Pardini

Coração

Coração valente que insiste em se iludir,
sentimento noturno que invade a imensidão,
espaço flutuante, no silêncio vem te acudir,
derramando palavras mudas no solo da ilusão!

Coração solitário que vagueia num delírio em abandono,
estranho sussurrar de sentimentos em oposição,
murmurando na prisão de um corpo sem dono,
sentenças memoráveis de uma outra dimensão!

Coração envaidecido pelo mundo em explosão,
revela raízes de uma mente insana e doentia,
expondo sua fraqueza perante a multidão,
deixando no ar, um rastro fugaz de melancolia!

Coração rebelde que insiste na verdade adormecer,
falsos profetas com palavras virão te conquistar
flertando com palavras esquecidas, quererão te aquecer,
não os ouve, pois seco se tornará teu direito de amar!

Marco Pardini