terça-feira, 31 de agosto de 2010

Sagrado Silêncio

E que o silêncio que permeia o espaço,
Deixe em seu coração apenas um traço,
Da esperança que o eterno existe,
Do caminhar à luz que no espírito persiste!

E nesse estado me ponho a pensar,
Será loucura ou será bobagem?
Aos loucos basta liberar as asas para sonhar,
Aos bobos, lutar pela perdida coragem!

E na lágrima de um orvalho crescem as flores,
E na busca pela vida conheço meus amores,
No escuro silêncio de minha mente
Escuto o suspiro do Onipresente,

A saudar o singelo e majestoso guardião,
Forte como o aço, sensível como o coração,
A pequena águia que a aurora desperta
Rumo ao infinito vôo da alma liberta!

Marco Pardini

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Antes que seja tarde!

Pai... como é bom dizer teu nome...
Podias ter qualquer um:
João, José,
Marcos ou Antonio,
mas, para mim,
teu nome seria
Pai, apenas.
Somente, pai...
Apenas, pai...
Pai, tu que me geraste
e criaste,
tu que me viste nascer
e crescer,
é a ti, Pai,
que dedico estes versos meus.
Não somente com poético
intuito,
ou, somente,
por agradar,
te querer,
ou, ainda,
por outra inspiração
me faltar.
Não...
É para ti, Pai,
que insuflou-me a vida,
quero dizer aquilo que,
talvez,
não consiga,
por serem tão limitadas
as palavras,
e por serem
tão poucas
as linhas...
Pai, ao dizer o nome teu,
sinto inundar-me
o coração,
de ternura e amor...
A vista se me turva,
ao querer, através
das lágrimas,
enxergar,
tanta aquiescência e
brandura.
O nó que me aperta
a garganta,
só não é mais forte,
que o nó de amor,
que a ti,
me prende.
Pai, tu que como o sol,
me iluminas,
que como a água,
me refrescas e,
as dores,
amenizas,
que como o pão,
alimentas-me,
a vida e os sonhos,
é a ti Pai, que peço,
compreensão.
Sim, Pai,
com a humildade da erva,
que se curva ante o jatobá
frondoso,
curvo-me perante a ti.
Como as folhas que sussurram ao vento,
venho a ti, também,
sussurrar de um perdão,
o pedido ...
Perdão pelas faltas minhas,
perdão por de tanto afeto
carecer,
perdão por te amar
e te ferir,
perdão, por não reconhecer
quão grande é teu amor.
Perdão pelas vezes que não chego a ti,
e aos ouvidos teus,
como do rouxinol,
o canoro canto,
mas como o rugir de trovões,
atordoante,
cego e ensurdecedor,
de tempestades,
as noites...
Perdão por esquecer ser eu,
tua filha...
Perdoa, Pai,
este insignificante ser,
que possui, como as flores,
da vida,
apenas um sopro,
que nas intempéries
como rosa altaneira
e orgulhosa,
se esquece,
que só as modestas
violetas
poupam...
E tão curto o tempo, Pai,
tão efêmera a vida...
Tu que me ensinaste,
do mal e do bem,
a distinguir,
o feio do belo,
o carnal do sublime,
perdoa esta filha tua,
que, para te dar,
tanto amor tem,
mas que, como os caracóis do jardim,
e os mariscos da praia,
se fecha e se esconde,
por, o caminho mais curto,
do entendimento,
apenas,
desconhecer...
Há quanto tempo , Pai,
quero dizer-te,
quero gritar-te e ao mundo:
- "Pai, como é bom ser tua filha."

Telma Regina

Metáforas

Alma que voa, livre, solta,
como pássaro que canta,
na natureza viva, na lida,
na poesia que encanta,
no sangue que vai e volta.

Alma que sonha e jura,
quando a química atrai;
e se transforma em vida,
na doce lágrima que cai,
da jovem que amadura.

Alma, do peito evapora,
eclode da castidade,
uma sensação doída,
um sabor, felicidade,
como uma metáfora.

Pedro Cesquim