segunda-feira, 13 de junho de 2011

Comigo mesmo

Atitude insana,
que emana da testa,
que flui no vermelho,
que o corpo retém.
Que não me convém,
como um vai e vem,
das ondas do mar.

Da cabeça que esquenta,
que não se agüenta,
quando as vezes,
um louco lamento,
como tormento,
atormenta o pensamento,
destruindo um sonhar!

Uma voz que clama,
uma chama na trama,
que envolve, que move,
na essência do ser.
Lá dentro, profundo,
n´alma que chora,
sob a luz do luar.

No beijo não dado,
um sussurro melado,
como um doce pecado.
Num encanto,
da folha que cai,
no outono que vai,
comigo a conversar.

Pedro Cesquim

Nenhum comentário: